sexta-feira, 17 de junho de 2011

A Profunda Alegria de Se Encontrar o Próprio Guru!



Encontrar o guru é como ser tomado por um "amor a primeira vista".

Descrever tal acontecimento, com palavras, só pode dar um “indício” do que seja. Vale dizer que é um "divisor de águas", um "nascer de novo", um "encontro profundo com a essência de nossa própria natureza".

Meu guru é amor!

Quando me aproximo, dele, todas as dúvidas desaparecem. Suas palavras parecem brotar de dentro de mim mesmo.

Meu guru abre meus olhos e, a partir do instante que meus olhos estão abertos; tudo eu posso ver por mim mesmo, quando vejo, não há perguntas para se fazer, a percepção direta, daquilo que é,  tudo responde. Não há mais dúvidas, não há mais paradoxos, não há mais a necessidade de aprendizado, de estudo de teorias, pois, quando a visão está aberta todas essas necessidades se esvaziam.

A minha confiança em meu Guru é plena, Ele é para mim uma porta que me conduz ao encontro da natureza essencial, e é através desta natureza que Deus se revela, deixando de ser uma crença para se visto naquilo que sou!

Só preciso amar e confiar em meu Guru e tudo o mais se realizará!

A voz do meu guru é a voz de Deus para mim.


Há na relação mestre-discípulo uma profunda manifestação de amor e, no momento que através deste amor, mestre e discípulo tornam um só ser, tudo está realizado. Acabou toda a busca.

Obrigado Bapú por sua onipresença constante junto de mim!

Um comentário:

Tom disse...

O guru está em todos os locais ao mesmo tempo porque a verdade é onipresente.

O Guru não é um ser especial, porque todos os seres são especiais, mas para aquele que redescobriu a verdadeira vida em seu estado natural de realização plena e bem-aventurança, através da paisagem apontada por um guru, para o seu coração o guru sempre será especial, sempre será amado!

Como não amar aquele que tem me livrado de todas as limitações, todos os sofrimentos e todos os conflitos?

E como eu posso honrá-lo verdairamente? amando a todos a minha volta tal como amo ao meu guru!

Meu amor por ele é tão profundo e a sua simplicidade é tão genuína, que eu não costumo chamar de meu guru, mas de Bapú (que significa pai, em hindi), porque ele realmente é como um pai para mim, um pai amoroso que pega nas mãos de seu filho e o ensina a olhar o mundo!

Ele me ensinou a olhar o mundo com os olhos da inocência, da entrega, da contempleção, da meditação, da não-resistência, com olhos que a tudo abraça e a tudo se rende e o mundo se tansformou para mim num reino celestial.

Seu amor revela a essência do Eu Sou! E transforma esta vida num estado de pura bem-aventurança!

Obrigado Bapú por seu amor!

Postar um comentário

Comente para compartilhar amorosamente aquilo que aqui amorosamente foi compartilhado!

Grato!

Seguidores