terça-feira, 8 de abril de 2014

Perdidos nos Labirintos sem saída da Mente e com Muito Orgulho!


Você se distanciou tanto do seu natural, a ponto de esquecer de quem é você de fato... E quem é você de fato, não tem perguntas e nem respostas, não tem onde chegar e nem o que procurar... Mas você agora, parece estar muito longe do marco zero, do ponto onde você começou a entrar por um labirinto, e dentro dessas experiências acumuladas neste labirinto, foi que surgiu através do registro e das impressões dessas experiências, a ideia de um você presente nessa jornada, um você que não é você, e este você que não é você está completamente perdido... 

E a mente está te dizendo: - Você pode... Siga em frente... Você pode chegar lá...  Mas quanto mais caminha, mais se distância...  A questão é reconhecer que a pessoa não tem solução e está perdida, e não pode se encontrar... Esta falida, e só pode descer ainda mais, cavar ainda mais fundo no seu poço...  

Sem a presença de um Guru, que é aquele que se encontra fora do labirinto, é praticamente impossível para todos, sair desta prisão... Mas a mente é muito cheia de orgulho, de vaidade, ela não consegue reconhecer que o Guru, a Graça, a Presença não está separada daquilo que ela é, mas a mente tem suas defesas, seus milhares de truques para se manter, porque a mente só pode existir dentro dessa confusão do labirinto, o labirinto é a sua vida, é a sua base, sua história, ela não quer que ninguém se liberte do labirinto...  


Por isso ela é anti-guru, com o exemplo de gurus fabricados pela mente, ela generaliza, e diz que nenhum Guru pode ajudar, a mente diz que você pode ser uma luz para si mesmo, mas quem é este si mesmo? Onde está este eu que pode ser uma luz para si mesmo? E quem é você? Você já está fora do labirinto? Há profunda paz aí? Você não é mais desse mundo? Está além do mundo e nada mais pode te afetar, nenhum acontecimento, nenhum fato que pareça acontecer? Não há mais conflitos aí? Você vive em verdade, paz e bem-aventurança?  

Só o desperto pode falar sobre o despertar, aquele que se encontra nos labirintos da mente só pode imaginar, e a imaginação é prisão, a filosofia é prisão, olhar para o outro ao invés de olhar para si é uma prisão, acreditar que não precisa de um Guru é uma prisão, um pensamento reativo. Antes do real "Despertar" toda ajuda é bem vinda e necessária. Mas você acha mesmo que a mente reconhecerá isso? Reconhecerá aquilo que pode conduzi-la a morte? 


"Gratidão eterna ao Mestre Marcos Gualberto"
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente para compartilhar amorosamente aquilo que aqui amorosamente foi compartilhado!

Grato!

Seguidores