quinta-feira, 8 de junho de 2017

A metáfora do aparecimento e do desaparecimento daquilo que nunca existiu


Vamos dizer que você é espaço vazio e pleno, e sobre ele, de repente, surgiu a água, que em grande volume é chamado de oceano, e agora você se vê como este oceano, se torna como o oceano. E como oceano você é a mesma água presente em todos os rios, presente em todos os lagos, fontes, riachos e mananciais, por de trás de todos os reservatórios, de baixo de todo solo freático, você é a água, a água presente nas nuvens do céu, na umidade do ar, nas geleiras dos pólos, você é a mesma água vinda do espaço, presente no corpo de cada organismo na terra ou em qualquer outra parte... 

Porém, seus olhos se fixaram na superfície do oceano, seus olhos são agora o mar, que é a mesma água em todo e qualquer lugar e sua atenção, de uma maneira desavisada, se fixou em seus olhos, na superfície do mar, a partir deste instante, tudo que parece acontecer sob a superfície começa a se tornar muito relevante, parece que está acontecendo a você espaço, que agora parece não ser mais o espaço, aparece e parece como água, que se parece oceano que agora se vê como o mar... 

A agitação do mar só pode ter uma explicação para você, sua inquietude, seus medos, você sente que pode ser atingido por algo vindo de fora, algo como o vento, como a gravidade, como o lixo vindo da superfície da terra... É como se algo pudesse alterar sua natureza. 

Você, tão fixado sob a superfície, esquece de que você não é o mar, de que antes de ser mar você é o oceano, de que antes de ser oceano você é água, a mesma água presente em muitas partes do mesmo espaço imutável, e como água, viajando em esferas, porém única, ordinária aparição aquática, como qualquer outra aparição surgida no espaço.

Mas, agora, você só tem olhos para esses olhos ordinários da superfície, localizada num determinado espaço e tempo, você se particularizou, consequentemente, sua imensidão desapareceu, aquela paz e tranquilidade de sua profundidade oceânica parecem que desapareceram.

Algo de muito errado parece ter lhe acontecido para você espaço-água, agora oceano, perdido no mar superficial de preocupações, e além de suas preocupações começa a lhe chegar, em ondas, o rumor de que outros mares, de outras praias, que também confiam em suas impressões superficiais, impressões que não são mais irrelevantes para ti, ao contrário, são o alimento necessário para todas as suas preocupações, e você acredita que já não é mais a água, você agora é alguém, você não é mais a vida se expressando em sua fluidez, você agora carrega uma imagem de si mesmo, você é o mar, se esqueceu da água, se esqueceu do oceano, e acredita qye há muitos mares como você, se esqueceu do espaço que é na verdade a sua realidade, se fixou em pobres olhos, se fixou em impressões, em sensações, em ideias sobre essas impressões, você agora vive em um mundo particular de uma ego-identidade.

Uma grande inquietude parece surgir com essa ego-identidade. Você começa a sonhar que em algum lugar, deva existir um Deus mais imenso que o oceano, e que ele seja a fonte e a origem de toda as águas. E na sua angústia, ao meio de seus muitos medos e desejos, você começa a orar, a pedir por uma intervenção divina das águas sagradas... e um movimento vindo das profundezas do mar, lhe traz a sensação de que uma resposta de Deus está chegando para ti, você se emociona, chora, e banha de sal a água, e salga a água do mar... 

Qual é a realidade de tuas angústias? Qual é a realidade de você como alguém? Como é que você, que é na realidade este espaço infinito onde todas as águas aparecem, pode ter se reduzido ao mar da praia de Bertioga, de Ubatuba, e agora pertence a algum lugar no espaço, a um pais, a uma cultura? A uma multidão? Como?

E como pode o espaço se esquecer de si, se ele não necessita de nenhuma lembrança ou imagem para se recordar daquilo que é. E como pode a água se particularizar e se transformar em outra coisa além de água?Este é o sonho, a ilusão do sonho, a ilusão do sonhador.

Mas tudo isso são águas passadas, e águas passadas não movem moinhos, não altera o espaço, é irrelevante, mesmo que ainda apareça estar lá... Não move mais uma ego identidade.

Desapareceu aquilo que nunca apareceu, desapareceu aquilo que nunca existiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente para compartilhar amorosamente aquilo que aqui amorosamente foi compartilhado!

Grato!

Seguidores