terça-feira, 26 de julho de 2011

O Coração e o Violino!




O coração toca um violino de forma solitária.


Harmoniosa, bela e perfeita canção é executada.


A mente se fragmenta e cria muitas partes de si mesma, aparentemente desconexas, tocando instrumentos de percussão e se assemelhando a uma bateria de escola de samba.

Faz-se um barulho ensurdecedor...


Quando a mente está no comando é impossível ouvir o violino.

Tudo fica confuso, não é possível ouvir a voz do coração!

Deixe a mente completamente de lado e ouça o violino divinal, onipresente e onipenetrantre!

É a canção deste violino que trás todas as respostas, não as palavras! 


Simplesmente ouça!



*

domingo, 17 de julho de 2011

Quem é o meu mestre?




Engraçado!

Quando eu me encontrei com meu mestre a própria idéia que eu tinha de mestre desapareceu.

Porque antes o mestre era um conceito mental e hoje é uma vivência.

O mestre está em todo lugar, em todos os seres e é onipresente, porque a própria expressão da graça em sua suprema sabedoria onisciente.

Dependende apenas de estarmos disponíveis, abertos e entregues aquilo que é!

E a partir disso veremos o mestre na criança, no adulto, no velho, em todos, porque o mestre é a própria essência, portanto todos são nossos mestres, somos discípulos do todo e quando nos permitirmos expressar a partir da essência, parecemos nos tornar mestres também.

Não importa quem seja, ao encontrar alguém esteja ao lado deste sem nenhum julgamento, não traga tuas memórias com relação a ele a tona, encontre-o agora, no presente, permita observá-lo como uma manifestação da Grande Vida, um ser plenamente ligado e conectado ao todo e como expressão do todo, não importa quem seja, e poderá sentir que neste alguém reside a essência e, portanto, ali também está o mestre.

Aquele que hoje eu chamo carinhosamente de Bapú é apenas uma referência tangível para mim, daquilo que devido a minha ignorância pode parecer por vezes intangível em todas as pessoas, esta referência é de um ser que trouxe para a sua consciência, o conhecimento da sua plena união com a fonte.

E é ele que me revela hoje quem sou em minha real natureza, pura felicidade, pura liberdade.


Por isso não há diferença entre eu e ele, como não há diferença entre eu e aqueles que moram nas ruas ou em mansões, não há diferenças entre aqueles que ainda vivem o personagem e aqueles que já se despiram do personagem. 

Tudo simplesmente é uno com a a fonte e origem de todas as coisas e seus destinos é estarem coscientes desta união.

Obrigado mestre!



*

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Que por hoje eu seja só coração!




A mente, limitada tal como é,  já me deu tudo aquilo que era possível para me dar.

 E eu lhe sou grato.

Como nos dizem aqueles que já se libertaram plenamente:

"A mente é um ótimo servo, mas um péssimo senhor".

Que por hoje eu seja só coração.

Este coração que sabe reconhecer a presença do amor divino e se abre completamente para recebê-lo, vinvenciá-lo, experimentá-lo e através deste, todo o ser é despertado e a centelha que antes estava oculta, brilha com uma chama incadescente, pleno de luz!

Que por hoje eu seja só coração.

Hoje é este grande dia, não há outro com o qual eu precise me preocupar, para este coração só o agora é...

E tudo é na presença deste amor!

Meu Bapú me de deu o seu coração e eu dou o meu coração ao meu Bapú.

No amor está a chave, porque no amor está tudo.

Que por hoje eu seja só coração!


*

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Tudo o que é Necessário Já Esta Presente!




Só sofremos tribulações por desconhecermos quem somos.

Por mais que surjam agitações ou problemas as ondas só são agitadas na superfície!

Mas há um mar de tranquilidade e paz dentro de cada um nós!

Não é preciso fazer nada, o fazer provocará ainda mais agitações.

É necessário apenas aprender a ver e perceber com mais clareza!

Tudo o que nos é necessário já está presente!

O Ser está em permanente estado de bem-aventurança!

Todos somos o Ser!



*

segunda-feira, 4 de julho de 2011

A Resposta



Quem este é que observa?

De quem é esta consciência que testemunha?

Permaneço apenas disponível, pergunto e espero sem buscar pela resposta.

A resposta brotará por si mesma.

Não é necessário buscá-la, mas é necessário estar em silêncio e presente para recebê-la!



*

domingo, 3 de julho de 2011

A Origem de Todas as Ilusões



Todas as ilusões surgem da idéia da existência de um eu separado do todo.

Desfazer esta idéia é a única coisa necessária para que todas as ilusões possam se desfazer.

Uma vez não mais existindo a idéia de um eu, todos os dramas humanos desaparecem.

E como desfazer da idéia da existência de um eu?

Através da entrega a real natureza do Ser.

E como encontrar a real natureza do Ser?

Não é necessário encontrá-la e sim percebê-la,  se o véu da ilusão de um eu for retirado, veremos que nunca deixamos de nos encontrar na real natureza do ser.

No entanto, a idéia de que não é preciso fazer nada, causa muitas deturpações dentro da mente onde habita um eu, claro que é necessário se predispor de algo e deslocar a consciência do seu falso centro.

É necessário entrega, meditação e auto-investigação.  Auto-invetigação através  da auto-observação.

Nada mais.

Tendo realizado essas três coisas que aglutianam-se numa coisa só, a idéia de um eu está fadada a desaparecer.

E tendo desaparecido a idéia de um eu através da percepção direta do que isto é, e não através de uma mera compreensão intelectual e superficial, a partir daí, realmente não é necessário fazer mais nada, a partir deste instante todas as preocupações desaparecem, todos os aborrecimentos, todas as dúvidas, todas as ilusões, e aquilo que é, simplesmente é, sem interferências ou perturbações.


Seguidores