quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Sentimentos Involuntários?



Ter raiva te é prazeiroso? Frustrações te são agradáveis? Mágoa te faz feliz? Ciúme te salva de algo? Tristezas combinam com teus olhos? Carência lhe torna atraente? Julgar te faz melhor do que o outro?

Tudo o que eu sinto são escolhas que faço daquilo que quero sentir.

A primeira vista, depois de anos de hábitos enraizados é difícil para muitos acreditar que suas emoções e seus sentimentos são de fato, escolhas sobre alternativas e possuem origem em interpretações subjetivas que estão sujeitas a tua própria observação, análise e escolha.

No entanto, devido ao condicionamento, muitas de nossas emoções são regidas por hábitos e muitos indivíduos estão presos a roteiros cuja história já está pré-estabelecida muito antes de começar a participar desta produção.

Quando vivemos sobre a superfície de nossas emoções, de nossos sentimentos e de nossos pensamentos nos tornamos espelhos que tão somente refletem modelos de comportamentos que determinam nossa conduta, e mais ainda, determinam o que sentimos, vivenciamos e acreditamos ser.

Eu já estive preso e acorrentado por minhas emoções, já experimentei a gangorra da euforia e da depressão, já sofri por motivos aparementemente incompreensíveis, enquanto meus pensamentos e sentimentos se assemelhavam à cavalos selvagens.

E vivenciar isto nunca se pareceu com uma aventura, com uma jornada de fortes emoções que me tornava mais humano, mas um desequilíbrio insuportável, que transformava a vida numa "dádiva" infernal.

A raiva não surge de um sentimento infantil? De uma atitude prévia de desejar veemente que as pessoas a nossa volta sigam um determinado padrão, que obedeçam as "nossas" regras e que os acontecimentos respeitem o script que nós mesmos estabelecemos?

As frustrações não surgem porque criamos grandes ou pequenas expectativas na esperança da realização de nossos desejos que não são concretizados?

Mágoas não têm origem em nossas frustrações, no sentimento de raiva, no julgamento implacável e em nossa falta de perdão?

Ciúmes não teriam como origem o medo? Assim como a raiva, a mágoa, as frustrações, a carência, a tristeza e o julgamento?

A liberdade está em olhar para dentro de si, se autoconhecer, saber quem somos afinal e a partir do conhecimento das causas de nossas emoções, de nossos sentimentos, podermos estabelecer o efeito que nos convém.

Se soubermos que as frustrações têm como causa as expectativas, porque não abrir mão das expectativas e permitirmos que as nossas ações tenham como motivação o bem estar aqui e agora, independente do que possa resultar o amanhã?

E assim por diante.


A escravidão está em olhar para fora, se observar como uma vítima de acontecimentos fortuitos, reagir de maneira condicionada a estímulos padrões e obedecer a roteiros pré-determinado que te diz o que fazer, como se comportar, independente se os resultados são positivos ou não.


Será mesmo que teus sentimentos são involuntários ou tuas escolhas são inconscientes?


Em determinado nível de sua pisquê realmente eles se parecem involuntários, mas são determinados por tuas associações e interpretações, que são determinantes em suas escolhas.


Cabe a você, a partir do conhecimento de causa continuar a viver como um escravo ou reinvidicar a tua liberdade de ser.


Tuas novas escolhas podem não te trazer resultados imediatos, mas teus antigos hábitos enraizados,  sempre te conduzirão aos mesmos velhos e gastos caminhos.


Viver dentro da matrix não é uma obrigatoriedade é uma opção, lembre-se disso, sempre existirá um outro jeito.

sábado, 27 de novembro de 2010

Porque Odiamos a Filosofia - 2ª Parte



Na verdade não odiamos a filosofia.

Dizemos que odiamos a filosofia como meio taxativo de se quer, abrirmos um mínimo espaço para sua entrada em nossas vidas.

No primeiro minuto de jogo, já lhe aplicamos um cartão vermelho,  porque acreditamos que a sua presença tornaria a nossa partida sem graça.

Na verdade temos medo da filosofia.


E porque temos medo da filosofia?


Porque temos medo de pensar!

Pensar poderia revelar que não somos afinal, aquilo que acreditávamos ser.

Pensar poderia colocar dúvidas sobre os nossos valores, sobre o nosso real amadurecimento, sobre o sentido da vida, nos obrigaria a buscar respostas.

E as tais respostas prontas com suas "velhas opiniões formada sobre tudo", não mais nos serviriam de apoio para continuarmos a ser, quem sempre parecíamos que éramos ser.

O medo de pensar é o medo de mudar.

Desde crianças aprendemos por meio de nossa natureza, cujos sentidos se abrem para fora e através do convívio com adultos que só eram "pessoas grandes" mas não maduras, que tudo o que necessitamos para ser felizes e nos sentirmos indivíduos completos, nós encontraríamos no exterior, através de coisas, bens, relacionamentos, realização financeira e profissional.

Este comportamento é condicionado, e é por este motivo que hoje vivemos numa sociedade de consumo que diz "me diga o que consomes e eu te direi quem tu és".

Se esta ordem vigente estivesse de acordo com a razão, não haveriam crises financeiras e/ou problemas sociais, não pensar é se omitir e a omissão contribui para que as coisas permaneçam como estão.

Nós somos o mundo, portanto não é mundo que precisamos mudar, somos a nós mesmos.

Pensar é a mais valiosa ferramenta para o autoconhecimento.

O autoconhecimento é a mais importante ferramenta para nos libertarmos de nossas prisões, limitações, preconceitos, julgamentos, pré-julgamentos, confusões, emoções mal resolvidas, apegos, desafetos, mágoas, entre tantas outras barreiras e bloqueios que nos impedem de amadurecermos e ser quem nós somos em nossa essência.

Abrir mão do medo de pensar e encarar o medo de olhar para dentro de si sãos os primeiros passos para nos tornarmos responsáveis diante de tudo aquilo que sentimentos e vivenciamos em nossas vidas.

Caso contrário, permaneceremos vítimas de um sistema, e como vítimas estaremos fadados ao fracasso ou ao sucesso ilusório de alcançarmos os objetivos que foram escritos por outros e não por nós mesmos, o que ao final é também um fracasso.

Ao tornar responsáveis por nossas vidas nos tornamos livres para decidirmos o que desejamos sentir, vivenciar, realizar e assim encontrarmos com a nossa verdadeira natureza essencial.

Pensar é simples, mas não é uma tarefa fácil, exige concentração, atenção, análise, comparação, questionamento, dúvida, etc.

Pensar é o único meio de nos tornamos livres, pois é na mente que tudo começa e termina afinal.

O Grande Desafio de Escrever sobre Espiritualidade




Muito se escreve sobre espiritualidade, mas pouco do que se escreve é escrito por meio da consciência espiritual.

Este texto, por exemplo, é mais uma reflexão sobre a espiritualidade,  assim como os demais textos deste blog sobre espiritualidade, também podem ser chamados de reflexões.

O Espírito está muito além do que pode ser expresso, sua natureza divina e abstrata não pode ser reduzida a meros símbolos.

Ao falar sobre espiritualidade estamos estabelecendo um foco que tem por direção o caminho inverso ao dos sentidos, pois enquanto os sentidos estão direcionados para "fora" e são as origens de nossas percepções, a busca espiritual estará sempre direcionada para "dentro", que é onde reside o conhecimento do espírito.

A busca espiritual genuína é rara, porque a maioria de nós seres humanos, nos orientamos a partir do autoconceito estabelecido de que nós somos o resultado histórico de um processo linear, limitado aos sentidos e ao corpo, desta forma, todos os nossos objetivos estão ligados a necessidades físicas e não espirituais.

Por esta razão, a grande massa busca as religiões não para encontrarem a verdadeira natureza do espírito e através desta vivenciar um estado de paz e plena bem-aventurança através do autoconhecimento, mas a sua busca está quase sempre relacionada a sua idéia limitada do que é segurança e de que todos nós sabemos exatamente aquilo que necessitamos para vivermos em paz. (Casa, carro, bens materiais, um excelente negócio ou emprego, realização amorosa, família unida, saúde, etc).

Por este motivo, grande parte dos livros sobre espiritualidade, escritos com boa intenção no intuito de auxiliar-nos em nossas vidas diárias, na verdade, tratam sobre leis da mente e não leis espirituais, desta forma, não visam a descoberta do espírito, mas meios de melhor utilizar nossas mentes e nossas relações, para alcançarmos o "sucesso", tendo como parâmetro os mesmos valores estabelecidos pelo ponto de vista sócio-econômico de qualquer doutrina fundamentalmente materialista para determinar o que é o sucesso.

Por este motivo, vejo que é um grande desafio, escrever sobre espiritualidade e não há dúvidas de que poucas pessoas estão abertas e preparadas para vivenciarem a espiritualidade genuína em suas vidas.

Mas como tudo no plano da mente é um processo gradativo, mesmo a pseudo-espiritualidade é um estágio importante no amadurecimento do ser para a abertura de sua mente à genuína espiritualidade.

Manter a mente aberta é uma virtude.

Nas próximas postagens sobre espiritualidade, nosso foco será a desconstrução de algumas idéias espiritualistas amplamente aceitas, e que como veremos não são nada espirituais.

O intuito aqui não é desrespeitar crenças ou quem quer que seja (pessoa ou instituição), mas compartilhar reflexões, com àqueles cuja mente aberta se permitem ampliar horizontes através de um pensamento analítico, por meio do questionamento de todos os nossos valores, objetivando a expansão da consciência com relação a verdadeira natureza espiritual da vida.


terça-feira, 23 de novembro de 2010

Imutável Essência



Tela


tintas


pincéis


um artista


sua imaginação


seus delírios


seus desejos


sonhos que se projetam


através de telas


da tinta e pincéis


paisagens exuberantes


desenhos chocantes


cenas de amor e de medo


simplicidade e exageros


onde?


Se a tela permanece tela


pincéis permanecem pincéis


e tintas permanecem tintas


e a essência é sempre imutável


e só o artista é louco


mas a sua loucura permanente


o faz parecer com a tela


com as tintas, com os pincéis


e tudo é como acreditamos ver


símbolos de algo indescritível


que julgamamos conhecer


através de palavras


que desenham


que pintam


sobre a tela virtual


mas tudo não passa


de uma sequência de um e zero


e eu deixo minha criança brincar


sempre inocente


sempre criança


sempre divina


sempre
.
¡Imutável Essência!


O Alegre e Divino Poema do Despertar


Ressentimentos me aprisionam na dor.
De um passado que eu mantenho vivo.
Sem perceber, sou quem assim decido.
Mantê-lo aqui para o meu próprio mal.

E ao olhar para o passado assim vejo,
Tantos culpados pelos meus fracassos,
Posso dormir na minha própria ilusão,
De que eu sou vítima num mundo cão.

Mas se sou vítima o que posso mudar?
E com presenças sempre ameaçadoras,
O agora é condenado como o passado!
Pronto para tornar-me outra vez infeliz.

O futuro será como hoje e como ontem,
Tudo só muda para continuar o mesmo,
Só o medo será sempre um inimigo fiel.
Melhor tê-lo vivo do que ser de todo só.

Mas uma voizinha tão fraca e tão baixa.
Sopra das profundezas de mim mesmo,
Revelando-me uma verdade tão simples
E capaz de me despertar deste pesadelo.

Tive de abrir mão de outras tantas vozes
Que imploravam e gritavam por atenção,
Exigindo atender suas tolas necessidades
De problemas insolúveis e intermináveis!

Foi preciso meditar e buscar o silêncio,
Deixar de só analisar e apenas observar.
Buscar a simplicidade e permitir-se Ser,
Crer que algo pudesse assim se revelar.

Assim confiando poder existir uma saída,
Outro jeito, outro meio ou uma outra via.
Uma chave que estivesse agora presente,
Que me libertasse da dor inconseqüente.

Abandonei por instantes todo o conflito,
Vi um irmão como nunca o tivesse visto,
E permiti que aqui a paz pudesse entrar.
Pasmem diante daquilo que eu ouvi falar.

A fraca voz foi tornado-se audível, sim!
O que antes era um pequeno sussuro,
Cresceu através da escolha e aceitação
E nobre conselho veio como revelação.

Se tu colocares todas as mágoas de lado
Entendendo que és o único responsável,
Por tudo que até hoje você pode sentir,
Que escolherás sentir de agora a diante?

Livre-se de tudo aquilo que te machucou
Perdoa e poderás seguir tão livremente,
Liberando assim o passado no presente
Sem obrigar o amanhã a ser como ontem!

Perdoa-te a si mesmo para te conheceres
E desfrute do reino que há dentro de vós.
Escolherás ser feliz ou vencer discussões?
Ser vítima ou responsável pelo destino?

Tuas mágoas são a tua coroa de espinhos,
Cada julgamento um cravo que te detém
Por mais tempo ainda pregado a tua cruz!
Queres a morte ou ressurreição de Cristo?

A escolha sempre será tua lembre-se disso
Porque ninguém te expulsou lá do paraíso,
Tu continuarás ser forasteiro neste mundo?
Ou então decidirás retornar filho pródigo?

E eis aqui o segredo de tua grande busca!
Este despertar através da sua iluminação,
O Pai espera com Seu Santo e puro amor!
Não para condená-lo ao inferno de horror!

Inferno este que a culpa para ti construiu
Lançando-te num mundo pleno de vazio
O medo apagou da memória quem tu éras
Sim um co-criador divino de outras esferas!

Escolha pelo despertar santo filho de Deus!
Tu estás cansado desses sonhos e pesadelos!
Volta-te para dentro e não seja prisioneiro!
Encontre a verdadeira liberdade do Espírito!

Entoemos cânticos agradecendo a Deus!
Tudo Ele criou perfeito na esfera celestial,
Nós somos o reino e Sua sagrada morada,
Que assim sejamos para toda a eternidade!

Sem dúvidas, prostei de joelhos ao chão,
O meu ego não mais resistiu e se partiu,
Como um fruto estragado da árvore caiu.
E se foi o conhecimento do bem e do mal.

O mal, portanto nunca passou de pesadelo,
O Espírito pode nos despertar gentilmente,
Junto Dele agora canto muito alegremente!
Até que a última centelha decida retornar!

Assim seja!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

PORQUE ODIAMOS A FILOSOFIA?




Porque a filosofia é tão desprezada pela sociedade?

Porque os jovens de hoje em dia torcem o nariz quando ouvem esta palavra? Porque a cada dia mais e mais universidades retiram da sua grade de ensino o curso de filosofia? e porque muita gente afirma odiar a filosofia?

Eis uma questão filosófica muito simples de responder.

Pensar não é uma atividade comum ou valorizada por nossos contemporâneos.

Pensar hoje nada mais é do que um "conjunto de reflexos condicionados, organizados em poucas e imprecisas etapas, que tem por intuito resolver um problema ordinário de ordem prática, que em 99% das vezes envolvem questões ligadas ou a dinheiro, relacionamento ou ao próprio corpo".

Este "pensamento" prático faz do pensar mais elaborado, cuidadoso, exigente ou até metódico, algo enfadonho por todos aqueles cujos hábitos profundamente arraigados não permitem se dar ao "trabalho" de pensar por meio de uma reflexão mais ampla.

Neste sentido o filósofo realmente incomoda e torna-se um ser detestável, porque o filósofo pertuba o sono da razão.

A preguiça coletiva no ato natural de pensar, a letargia de raciocínio e a incapacidade para a reflexão são os verdadeiros alicerces do status quo, ou seja, de um sistema formado por "não pensadores" (individuos incapazes de pensar a sua própria existência), despreocupados com a justiça, com o bem coletivo, com o amadurecimento e com o exercício das capacidades da inteligência humana.

Odiamos a filosofia porque preferimos continuar dormindo o sono da razão, desta forma, não há necessidade de amadurecermos, nos preocuparmos com questões fundamentais para a vida, para a sociedade e o mais importante não precisamos perder tempo, porque tempo é dinheiro e pensar só é válido quando o foco do pensamento é como ganhar mais dinheiro.

Logo se filosofia não dá dinheiro e não resolve questões práticas do cotidiano ela é digna de desprezo e de ódio.

Coitada da filosofia. Ou melhor, coitada desta sociedade alienada de si mesma.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Ah o Amor!




Se experimentas o amor como um sentimento que vai e vem você ainda não conhece o amor.

Não adianta mudar de parceiro(a) porque o outro não é responsável pelas tuas emoções, como você julga e imagina que é.

Não adianta se apegar, abrir mão da sua liberdade, abrir mão da sua individualidade, fazer milhares de concessões, mudar seu estilo de vida para se adequar ao outro , porque tudo isto é sinônimo de dependência e dependência é miséria não é amor.

O amor é um sentimento transbordante não nasce de sua carência, só pode nascer da plenitude, se ainda não vives em plenitude e se ainda não te encontrou consigo mesmo, como poderás se encontrar com o outro?

O amor é incondicional, não impõe regras e condições, regras e condições são impostos pelo medo, o medo de que o outro se vá, de que ele se apaixone por outro, o medo de ficar sozinho, quando estás sozinho tem medo de não encontrar ninguém, quando acreditas ter encontrado alguém, tens medo de que este alguém possa se fazer ausente amanhã, porque afinal, ele não estava aí antes.

O medo sempre te acompanha e como você pode amar completamente se o medo é o teu companheiro constante?


E se você impõe condições é porque não ama verdadeiramente, o amor não precisa impor condições, não é dependente, não exige juramentos ou a assinatura de documentos no cartório, não exige que você e o outro abram mão da sua liberdade de ser.

O amor é gratuíto ele não exige nada em troca, se você só é capaz de amar se o outro também te ama, se ele satisfaz tuas necessidades, se ele abre mão do universo para ficar ao teu lado, se ele ele te considera mais importante que a própria vida, então não queres alguém para amar, queres alguém para ser teu escravo, para ser teu criado, para te servir, para te considerar Deus e desta forma poder te adorar acima de tudo.

O primeiro passo para conhecer verdadeiramente o amor é conhecer o que não é o amor, e amor não é escravidão, não é exigência, não é sacrifício, não é dependência, não é apego, não é suicídio, não é sexual, é gratuíto, não exige nada em troca, o amor flui para dentro de nós quando estamos disponíveis para a sua presença suprema.

Permita-te conhecer o verdadeiro amor, livre-se do medo, resgate a sua inocência, sua pureza. 


Seja como você é em tua essência, descubra quem tu és. 

Só há este caminho.

sábado, 4 de setembro de 2010

A grama cresce por si mesma


À semelhança do crescimento da planta, nós humanos, possuímos dentro de nós a semente do florescimento da consciência.

A suprema qualidade da terra é servir de cultivo para o reino vegetal.

E a do corpo é receber a flor de lótus da consciência e vê-la crescer, florir e dar frutos.

O processo de crescimento de uma árvore é um processo natural, não há necessidade de esforços, de sacrifícios, de preocupações, de métodos, de teorias, de complexos estudos e minuciosos treinamentos, para que a semente possa brotar e crescer, isto se deve ao fato de que na semente já está todo o potencial para que ela se transforme naquilo que já é.

A vida e o caminho se realizam por si mesmos, sem a necessidade de nossos esforços ou intervenções.

Em nós já existe todo o potencial, basta não interferir. 

A realidade não depende de nossas interferências, a realidade simplesmente é.

Permita-se ser quem você é em sua essência.

Nós não estabelecemos nossa realidade, assim como a semente não semeou a si mesma, portanto aquilo que somos já foi estabelecido, nossas funções já estão definidas, precisamos nos transformar naquilo que já somos, precisamos florescer e dar frutos, isto se chama autorealização.

Não precisa se preocupar quanto a isto, como você irá florecer, como dará frutos, como fará isto, como conquistará aquilo, porque você já tem tudo que é necessário para ser quem você é.
.
Paz interior e harmonia são os adubos.
.
Cada relação harmoniosa, pura e verdadeira, que estabeleces são nutrientes para suas sementes.
.
A atenção é a água para que possas regar.
.
A vigilância é a luz que o guia.
.
Estar presente, testemunhando, vivenciando, sem preocupações, apenas se permitindo, são como galhos que crescem em muitas direções, mas que permanecem todos ligados a um só tronco.
.
Seja, desfrute do Ser.
.
Seja e esteja em paz.
.
O seu propósito já está aqui e está realizado agora.
.
A verdade, o caminho e a vida está na própria vida.
.
Você é o caminho, o caminhar, o caminhante, a verdade e vida.
.
Esteja presente, completamente presente, aqui e a agora, esteja disponível para abrir a porta, é só isso que precisamos "fazer", abrir-se como uma flor e recebermos a luz que se unirá a luz que já veio conosco quando viemos ao mundo.
.
Como diz o ditado Zen "a grama cresce por si mesma".
















segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Para aqueles que decidiram pela mudança de si-mesmos!



Descobrirmos a nossa essência e ser quem somos realmente não exige nenhum sacrifício, basta investigarmos cuidadosamente cada uma de nossas emoções e descobrir quais são as nossas verdadeiras motivações e a partir disso abandonarmos tudo aquilo que está em nossas mentes, mas não nos pertence verdadeiramente.


Por meio da atenção e de um pequeno esforço, aliados a persistência e um pouco de boa vontade, aprenderemos a deixar para trás comportamentos nocivos e com eles o estado de carência afetiva, de instabilidade emocional, do medo, de revolta, de raiva, tristeza, depressão, da baixa alto-estima, estados de desânimos, de conflitos, dúvidas paralisantes, vícios, tensões e  estresse.


Quando conhecemos melhor a nós mesmos e o funcionamento de nossas mentes, o impacto de nossos pensamentos e a razão de nossas emoções, aprendemos a reconhecer as nossas reais necessidades e suprí-las (ou permitir que sejam supridas) com naturalidade, sem sacrifícios ou esforços sobre-humanos.


Seremos mais práticos e efetivos em nossas decisões e ações, nossos relacionamentos com as pessoas a nossa volta tornar-se-ão mais profundos, humildes, amorosos e significativos.
.
E nossa "visão de mundo" será simples, nossos olhos serão simples, nossa alma será simples, porque na simplicidade reside o princípio da verdadeira sabedoria.

Sabedoria esta que está disponível para pessoas de todas as idades, independente do grau de instrução e de suas condições sócio-econômicas.


A mundança de si-mesmo inicia-se através da introdução de novos hábitos em nosso cotidiano, pois aparentamos ser tão somente a soma de nossos hábitos e costumes e neles observamos o reflexo de nossas atitudes internas.


Pois como já nos ensinaram os sábios; "novos e pequenos hábitos conduzem a grandes transformações".


Desta forma, a introdução de novos hábitos ajuda-nos a ampliar a visão de quem somos. E por meio da simples observações, seremos capazes de renunciar gradativamente ou subitamente aos comportamentos não saudáveis sem nenhum sacrifício.


Portanto, àqueles que decidiram pela mudança de si-mesmos, tendo adquirido a convicção de que não é possível mudar o mundo fora de nós, mas no entanto é possível mudá-lo na sua visão interior e a forma com que nos relacionamos com o universo ao nosso redor digo-lhes com toda a convicção:


Sem nenhuma sombra de dúvida; é possível mudar a qualidade de nossas relações com tudo e todos a nossa volta, tornando-as mais harmoniosas, gentis, amorosas e pacíficas, extraindo dessa forma o que há de melhor em cada ser humano, o que há de melhor em nós mesmos e em cada aspecto da natureza, possibilitando aos outros as mesmas oportunidades que conquistamos.


Assim como é possível mudar a nós mesmos sem sacrifícios, sofrimentos, conflitos e guerras com o seu próprio ser.
.
Desta forma é possível um novo mundo para todos nós.


Não faz sentido exigir que uma mente que sempre foi dispersa e flutuando no oceano de informações de influências externas e internas, sem estar ancorada com bases em sua própria consciência, consiga de uma ora para outra, como num passe de passe de mágica, transformar-se numa mente de um monge que durante anos dedicou sua vida a disciplina interior.


A mudança efetiva se concretizará por meio de uma revolução pacífica e silenciosa sem o uso de armas ou de atitudes que pressionem a ordem dos acontecimentos naturais, mas através da introdução de pequenos passos, da aceitação de certos princípios e da disponibilidade de abertura para o sagrado, para o inexplicável, para o milagre.


Sem exageros, ansiedade ou expectativa de resultados rápidos, sem ações impulsivas e precipitadas saberemos por meio do silêncio ouvir a nossa voz interior que nos conduzirá da maneira mais suave possível no manuseio desta alquimia da transformação.


Portanto o respeito pelo seu próprio ritmo e pelas suas dificuldades devem vir em primeiro lugar, a aceitação de quem você é hoje e a compreensão gradativa do que te levou a ser quem você é, será de grande auxílio para a mudança.

Lembre-se: a guerra nunca conduzirá a paz. O conflito não conduzirá a solução do conflito.


Velhos padrões de compartamento serão superados e deixados para trás de uma maneira tranquila, semelhante a uma folha seca que cai de uma árvore auxiliada pela brisa do vento.


Parabéns por optar pela mudança, pois optar pela mudança é optar pelo crescimento e o crescimento é um fenômeno da natureza, pois todo ser vivo busca ser íntegro e completo, e assim alcançar o sucesso que é ser quem você é em sua essência, com todo o seu amadurecimento e com toda a sua plenitude.


Com certeza este caminho, principalmente em seu início, poderá parecer difícil, árduo e assustador.
.

Mas não se deixa paralisar devido ao medo e por acreditar que a tua vida não poderá ser mudada devido ao grau de complexidade com que você olha hoje os seus problemas.
.

O novo pode realmente assustar, poque não saberemos o que iremos encontrar pela frente, mas se você não está satisfeito com a vida que vive hoje, porque não mudar?
.


Porque permanecer na mesmice? Já diriam os doutores em neurolingüistíca, se continuarmos a fazer as mesmas coisas que sempre fizemos, iremos continuar obtendo os mesmos resultados que sempre obtivemos.
.

Não esqueça de rir diante de cada momento e situação e siga adiante, volte-se para dentro de si, pois é aí que estão as suas respostas, fora de ti você pode encontrar as respostas dos outros, não as tuas, a verdeira mudança ocorre de fora para dentro, uma ajudinha de fora é até muito importante, mas a grande transformação ocorrerá na via contrária, como na piracema.
.
Mas uma coisa precisa ser revelada aqui.

Não é você que decide pela mudança de si mesmo

É a vida que escolhe o momento exato para te colocar nos eixos.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

HINOS, BANDEIRA E SELEÇÕES





É compreensível o fato de convivermos diariamente com a barbárie e dificuldades diversas no âmbito do relacionamento humano.

Valores invertidos, relacionamentos doentes, incapacidade para o exercício da razão (a impressão que tenho por vezes é que esta capacidade encontra-se atrofiada no homem).

É fato a compreensão de que a maior parte de nossos infortúnios (quiçá todos, pois mesmo as catástrofes naturais parecem uma reação da natureza contra os seres humanos), seja decorrente aos relacionamentos entre nós mesmos, os próprios seres humanos.

Um paraíso se concretizaria através da relação pacifica e amorosa entre todos os seres.

Precisamos curar as nossas relações, nossas atitudes e nossas mentes.

A razão é sem dúvida alguma a arte de pensar por meio da simplicidade e praticidade.

Tratá-se de um olhar que observa com clareza e define por meio de uma reflexão lógica o que é e o que não é, o que tem ou não valor, qual a ordem de importância dos valores existentes e por qual meio seguir adiante, diante de impasses e dificuldades.

Entretanto a razão e a lógica tornaram-se seres de outro mundo, completamente estranhos dentro de uma sociedade onde pensar é um ato raro.

Vejamos a questão do fenômeno social chamado "nacionalismo"

Qualquer pensador, independente do seu grau de maestria com habilidade de raciocínio notará sem dificuldades que o nacionalismo é um "câncer" para a humanidade.

Quantas guerras jamais teriam ocorrido se não existisse este fenômeno?

O nazismo e o fascismo jamais teriam existido, para exemplificar.

Quando olhamos para o desenvolvimento geopolítico do planeta e observamos a consolidação dos estados, o que estamos observando além de uma história repleta de guerras, batalhas, corrupção, exploração, ganância e luta pelo poder?

Qual é a razão de separarmos pessoas, indivíduos, seres humanos cujas necessidades primárias, secundárias e terciárias são definitivamente as mesmas necessidades?

Por qual razão separarmos seres que vivenciam as mesmas dificuldades, possuem os mesmos potenciais e como seres humanos que são, são habitantes de um mesmo planeta e não poderiam ser chamados de outra forma que não seja, cidadãos do mundo!

Marx como grande pensador que era chegou a bradar para todos os operários do mundo; Proletários de todos os países, Uni-vos! - Porque? por que justamente todos os operários sofriam com a mesma opressão e exploração, o capital não reconhece fronteiras.

Cada hino, cada bandeira, fora forjada por um estado no intuito de fortalecer o seu poder, a sua soberania e por meio desses valores nacionalistas manipular toda uma sociedade a favor de seus interesses unilaterais.

Por qual razão então teríamos orgulho de nossa bandeira e de nosso hino?

Por qual razão seríamos nacionalistas?

Se nosso país chamado Brasil resolvesse todos os seus problemas sociais, seríamos uma nação feliz sabendo que nossos ancestrais africanos sofrem com as desigualdades globais, com sua escassez, suas dificuldades e sua história de opressão?

Com certeza não! Porque nós somos a África! Nós somos o Oriente! Nós somos o mundo!

Onde existe um ser humano, cada um de nós lá estamos!

Não foi um americano que pisou a lua! Foi a humanidade!

E que ridículo fincar sobre a lua uma bandeira americana, exagero do nacionalismo, disputa de poder e prestígio no auge da guerra fria!

Estamos em plena copa do mundo de 2010. Observamos seleções, seus hinos, suas bandeiras o seu orgulho nacionalista e incentivados por uma cultura de "não-pensantes" entram em campo atletas, para suar pela sua camisa, sua seleção, o seu país! Quando o esporte deveria tão somente representar a união de todos os povos, a celebração do esporte e não as disputas nacionalistas ou o fortalecimento de uma indústria milionária por de trás deste esporte e onde a milhões em jogo há corrupção e tudo aponta que a sua organização máxima (a FIFA) é forjada por meio de manipulações, interesses tendenciosos e abuso de poder.

Uma guerra inocente chamada futebol que é fonte de inspiração para guerras políticas, econômicas e sociais.

Mas para todo quadro negro há um ponto branco e em seu contorno um quadro branco de um ponto negro. (Yin e Yang).

Há força maior do que o Amor?

É tempo de revolução!

Mas não a revolução arcaica que armada de utensílios bélicos pretende a força mudar o mundo e o curso da história! Olhemos para o fracasso bolchevique entre tantos outros fracassos.

A revolução hoje começa a partir de nós mesmos.

Através de pequenas escolhas do dia a dia.

Podemos escolher entre palavras pacíficas ou palavra de julgamento e condenação.

Podemos escolher entre palavras que integram e palavras que dividem, separam.

Podemos escolher entre discursos amorosos ou discursos revoltosos que espalhem o medo, o ódio e a insegurança.

Podemos escolher entre sermos gentis e educados ao invés de sermos grosseiros e egoístas.

Podemos escolher entre sorrir ou "fechar a cara" quando olhamos para cada pessoa que encontramos pelo caminho.

Não precisamos queimar bandeiras, derrubar estados e utilizar os mesmos métodos que foram utilizados para consolidar o momento histórico atual.

Perdoemos tudo aquilo que já passou, até porque aqueles que erraram no passado nem mais estão entre nós.

Esqueçamos a história porque suas lições não nos inspiram nem a paz nem o amor.

A revolução de hoje não será feita através do ódio aos opressores, mas através do amor aos oprimidos e opressores, porque aqueles que acreditam oprimir e dominar estão doentes, há uma ausência de razão e de humanidade em muitos homens que acreditam estar no poder devido ao fato de ocuparem importantes cargos públicos no legislativo, no judiciário e no executivo não é difícil olhar para eles e observamos comportamentos insanos e todo insano é um doente mental, que necessita de tratamento e de nossa preocupação.

Quantos multi-milionários desconhecem o propósito de sua existência? Deixam de amadurecer a sua alma e de conhecerem a mais nobre fragrância do amor que há dentro de si.

A revolução que mudará o mundo não terá armas, terá amor, compreensão, perdão, paz e sabedoria.

Refaremos nossas escolhas e olharemos para os nossos vizinho não como concorrentes, mas como irmãos que são.

Não olharemos para outra nação como se lá existissem seres de outra categoria a nossa, mas observaremos que todos ali precisam do que nós também aqui precisamos, de amor e de paz e a partir deste instante não enxergaremos mais fronteiras.

Viver em paz e aprender a amar é a maior revolução que nós seres humanos somos capazes.

Ser amoroso e pacífico é ser verdadeiramente humano.

Que possamos erguer todos juntos a bandeira da paz e cantarmos o hino de amor à Vida, às crianças, às famílias e a esperança em tornamos o mundo pacífico e amoroso.

Esta é a seleção pela qual eu torço e pela qual eu vibro! E nessa seleção eu vejo todos os seres humanos, juntos e unidos por um só ideal!

Seguidores